App SUPERCASA
Descobre a tua nova casa
instalar
Notícias
Categorias
Comprar Casa

Entrada da casa: Dicas para poupar dinheiro

23 JUNHO 2022
Tópicos
Dicas Mercado Imobiliário Destaque Notícia Homepage Compra de Imóveis Compra e Venda de Casas Comprar Casa Comprar Casa em Portugal Crédito Habitação
Quando se pensa em comprar uma casa, para muitos portugueses, torna-se difícil conseguir o montante suficiente para a entrada da casa. Assim, siga as dicas para poupar este valor sem esforços sobre-humanos.
Atualmente, para contrair um crédito à habitação é exigido que se tenha, pelo menos, 10% do valor do imóvel. Assim, saber maneiras de poupar para conseguir dar a entrada da casa dos seus sonhos sem esforços adicionais.

Posteriormente à crise de 2008, com grande foco no mercado imobiliário e o seu respetivo financiamento, houve uma sucessiva implementação de medidas que possibilitassem diminuir o risco deste tipo de empréstimos efetuados pelos diferentes bancos. 

Deste modo, a partir de 2018 legislou-se em Portugal no sentido de limitar o rácio “loan-to-value” (LTV), ou seja, a percentagem que as entidades credora podem financiar no que toca ao valor avaliado do seu futuro imóvel. 

Neste sentido, se tiver, por exemplo, um certo apartamento cuja avaliação se situe nos 150.000 euros, a entrada que se deve avançar terá, no mínimo, um valor de 15.000 euros.

Em relação a esta regra há apenas duas exceções: 
  • Comprar um imóvel que tenha sido objeto de penhora pelo seu banco, embora o financiamento a 100% não se dê em todas as penhoras apresentadas;
  • Se pretender construir casa, o valor do terreno adquirido, herdado, ou doado poderá servir para cobrir o valor da entrada exigida.

Contudo, de destacar que a vasta maioria dos créditos à habitação são efetuados com recurso a entrada que terá de advir dos seus capitais próprios, não podendo solicitar um empréstimo adicional para o efeito. 

Neste sentido, siga algumas dicas para conseguir poupar este valor sem esforços sobre-humanos.

#1. Analisar as despesas ao pormenor 
Antes de decidir quais serão as fontes de poupança, é importante ter por base uma análise completa das despesas mensais e anuais mais importantes. 

Apesar de parecer um processo exaustivo, há um princípio que o poderá ajudar, o Princípio de Pareto, vulgo regra 80/20. Este princípio é bastante usado no mundo dos negócios, é também verificável em diversos fenómenos naturais e este Princípio dita, na sua escrita mais genérica, que 80% dos efeitos derivam de 20% das causas.

Aplicando este princípio às finanças familiares, deverá focar-se nas despesas de maior valor e/ou que implicam maior recorrência. Neste sentido, despesas com automóveis, rendas, cartões de crédito, alimentação e outros pagamentos recorrentes como as mensalidades do ginásio e dos vários serviços de streaming que possa subscrever.

Posteriormente a este apuramento inicial deverá partir para a próxima etapa, que passa por se debruçar nas suas maiores potenciais fontes de poupança.

#2. Dicas para a diminuir as despesas
Há várias abordagens e estratégias para além das apresentadas que poderá selecionar, tais como:
  • Atualmente, especialmente nas cidades de maior dimensão, existem soluções alternativas de transporte que poderão implicar grandes poupanças mensais em combustível;
  • Relativamente aos custos com alimentação, poderá passar a planear as suas refeições semanais consoante as promoções mais interessantes para si;
  • Avalie a utilização de todos os seus serviços de subscrição e determine se realmente são uma despesa da qual efetivamente usufrui;
  • Se tiver um pagamento mensal associado a um cartão de crédito e, por exemplo, um crédito automóvel, considere realizar uma consolidação de crédito reduzindo substancialmente a sua prestação mensal a pagar.

#3 Além de poupar, crie novas fontes de rendimento
Por um lado é importante ter atenção e gerir os seus gastos, por outro lado, é essencial também criar novas fontes de rendimento com os fundos que for poupando.

Neste sentido, deverá avaliar as diferentes possibilidades de colocar o seu dinheiro a gerar novos rendimentos, como é exemplo a adesão a uma conta poupança ou a compra de obrigações soberanas. 

Nunca se esqueça de analisar o risco dos produtos financeiros que subscreve e compra no seu banco, procurando obter vasta informação sobre cada um deles.
Tópicos
Dicas Mercado Imobiliário Destaque Notícia Homepage Compra de Imóveis Compra e Venda de Casas Comprar Casa Comprar Casa em Portugal Crédito Habitação
Queres receber as últimas Super Notícias?
pixel pixel