App SUPERCASA - Descobre a tua nova casa
App SUPERCASA
Descobre a tua nova casa
Abrir
App SUPERCASA - Descobre a tua nova casa
App SUPERCASA
Descobre a tua nova casa
Abrir
Notícias do Mercado Imobiliário
Categorias
Imobiliário

Worx: Balanço de 2021 e perspetivas para 2022

3 JANEIRO 2022
Tópicos
Mercado Imobiliário Escritórios Imobiliárias Investimento Imobiliário Worx
Findo o ano de 2021, a Worx Real Estate Consultants apresenta um resumo da atividade do mercado imobiliário e perspetiva o seu dinamismo para o ano de 2022.
Worx: Balanço de 2021 e perspetivas para 2022
Findo o ano de 2021, a Worx Real Estate Consultants apresenta um resumo da atividade do mercado imobiliário e perspetiva o seu dinamismo para o ano de 2022, segundo um comunicado enviado ao SUPERCASA notícias.

Pedro Rutkowski, CEO da Worx, refere que “o ano de 2021 apresentou uma recuperação positiva face ao período conturbado que se viveu na sequência da pandemia e, ainda que muitos players continuem com algum grau de incerteza na sua tomada de decisão, os seus planos de investimento continuam em execução e os negócios são concretizados”. Acrescenta também que “2022 deverá ser um ano de continuada recuperação quer do clima económico-financeiro quer do mercado imobiliário”.

Mercado ocupacional de escritórios
O mercado ocupacional de escritórios revelou um crescimento homólogo de 17%, atingindo 138.000 m² de área transacionada na Grande Lisboa entre janeiro e novembro de 2021. O negócio médio reduziu para 1.160 m², que compara com 1.310 m 2 em 2020.

O Corredor Oeste foi a zona mais procurada, com uma representatividade de 35%, particularmente influenciada pela inclusão da futura sede da Câmara de Oeiras com 30.500 m². Seguiu-se a Zona Não Consolidada, potenciada pela ocupação da Factory no Hub Creativo do Beato com 10.000 m², e o Parque das Nações, onde se destaca a ocupação da Critical Techworks na K-Tower com 9.900 m², que contaram com 20% e 17% respetivamente. Estes perfazem os 3 maiores negócios de ocupação do ano, tendo havido 5 negócios de grande dimensão (acima dos 5.000 m²).

A estimativa da Worx aponta para que o ano de 2021 feche a atividade ocupacional em cerca de 155.000 m² transacionados na Grande Lisboa, representando um crescimento homólogo de 12%.

Mercado de investimento em imobiliário comercial
O mercado de investimento em imobiliário comercial registou perto de €1.900 milhões em 2021, porém este valor poderá ser superior. Segundo as estimativas da Worx, o volume final do ano poderá aproximar-se dos €2.000 milhões canalizados para ativos de rendimento em 2021, mediante a confirmação de algumas transações que ainda se encontram por apurar.

O setor de escritórios liderou a procura por ativos de rendimento, em linha com a tendência antecipada da aposta dos investidores em ativos core e core+. Com um total de quase €730 milhões, estes representam 39% do total do volume investido em Portugal. A compra da Quinta da Fonte pela Sixth Street por €145 150 milhões e do Portfólio Navigator pela South por €120 milhões foram os maiores negócios neste setor.

O setor dos ativos alternativos registou, em linha com a tendência europeia, a segunda maior fatia. Com uma representatividade de 36% do volume, que equivale a mais de €670 milhões, os ativos que mais preponderância foram os de residencial para arrendamento (PRS – Private Rented Setor), com destaque para a venda do Portfólio ZIP por €333 milhões, e os hospitais, nomeadamente com a venda do Portfólio SaúdeInveste à Icade Santé por €213 milhões.

Segue-se o setor hoteleiro, com cerca de 14% do volume de investimento, onde se destaca a compra por parte da Azora do Tivoli Marina Vilamoura e Tivoli Carvoeiro por €148 milhões. Os negócios mencionados perfazem assim as 5 maiores transações do ano no imobiliário comercial. Adicionalmente, o setor de retalho e de industrial e logística captaram apenas 8% e 3% respetivamente.

Perspetivas para 2022
O setor de escritórios deverá retomar o seu dinamismo neste novo ano, nomeadamente com a crescente procura por parte de empresas tecnológicas e multinacionais a quererem entrar no mercado nacional. Ainda que no curto prazo a grande maioria das empresas procure flexibilidade dado o contexto de ainda alguma incerteza no processo de tomada de decisão, no médio-longo prazo manter-se-á a preferência por espaços em arrendamento tradicional sem um impacto proporcional à adoção de regimes de trabalho híbrido dado o aumento de áreas sociais e colaborativas.

O elevado nível de pré-arrendamentos em projetos que ficarão concluídos em 2022, assim como o esperado incremento nos níveis de procura, deverão contribuir para uma tendência moderada de subida da taxa de desocupação.

As rendas médias e prime devem-se manter estabilizadas, com tendência para negociações de incentivos em prol dos ocupantes. Algumas zonas com reduzida disponibilidade e/ou com projetos diferenciadores, nomeadamente com certificações ambientais, poderão observar uma pontual valorização das rendas de mercado.

Relativamente ao mercado de investimento, o sentimento é de subida dos níveis de confiança mantendo a minúcia na seleção de ativos para o seu portfólio, nomeadamente em relação à localização, qualidade do inquilino, duração dos contratos, potencial de upside. Com a emergência das questões relacionadas com a sustentabilidade, acredita-se ainda que o potencial de valorização subjacente à certificação ambiental dos edifícios traga oportunidades de reposicionamento dos ativos a investidores com um perfil mais value-add.

A procura por ativos ligados à saúde, habitação e logística, fruto dos impactos trazidos pela pandemia, deverá continuar. Mas estando esta limitada à escassez de produto transacionável no mercado, os negócios de promoção/reabilitação urbana e de forward purchase poderão representar um papel importante na dinamização do mercado imobiliário. Um dos maiores desafios que estes irão enfrentar está relacionado com a escalada dos custos de construção que traz um elevado grau de imprevisibilidade da margem de lucro aos promotores/investidores.

Nesse decurso, o segmento de PRS (Private Rented Setor) deverá beneficiar particularmente ao longo de 2022 com a extensão do regime de IVA a 6% da habitação a custos controlados à construção de habitação para arrendamento acessível, incentivando o desenvolvimento dos primeiros projetos BTR (Built To Rent) promovidos por privados.

Já o aumento esperado da taxa de inflação é uma nota positiva para o mercado imobiliário uma vez que este funcionará como refúgio de investimento face a outras alternativas de rendimento e potenciará a valorização dos ativos de forma indireta.

No entanto, a dificuldade de acesso a financiamento bancário nomeadamente com a potencial subida das taxas de juro tanto pela normalização da política monetária do BCE, como pela aplicação da EU Taxonomy, irá requerer que os investidores comecem a diversificar a forma como se financiam através de formas complementares (e.g. joint ventures, mezzanine loans, equity finance) e que passem a reportar de forma transparente a sua matriz de risco dos fatores ESG.

Atividade da Worx Real Estate Consultants
Bernardo Zammit e Vasconcelos, diretor do departamento de Agência, menciona que “a Worx detém uma significativa quota de mercado no segmento de escritórios e um portfólio de imóveis em co-exclusividade que nos permitirão encarar 2022 com entusiasmo e otimismo. A dinâmica das empresas face ao mercado imobiliário teve algumas oscilações, contudo acreditamos que a aprendizagem a que esta pandemia nos obrigou trará uma consolidação das novas práticas e formas de trabalho, criando assim maior estabilidade e maior confiança nas tomadas de decisão em que assenta o mercado de arrendamento de escritórios em Portugal.”

Entre os maiores negócios do departamento no ano transato, destacam-se as 2 colocações no novo empreendimento World Trade Center totalizando 7.000 m², da consultora CGI no Office Oriente com 2.800 m 2 ou da financeira Unicre no Greenpark com 2.700 m². 

Pedro Rutkowski menciona que “o caso da Unicre foi um exemplo da aplicação do know-how e da diligência das equipas multidisciplinares da Worx na entrega de um projeto chave-na-mão. Este trabalho assenta na equipa profissional e experiente nos vários ramos do setor imobiliário que temos e que nos permite apresentar as melhores soluções às necessidades dos nossos clientes”.

A equipa de Capital Markets transacionou o edifício da Avenida António Augusto de Aguiar quando a Unicre ainda era inquilina em 2020 e paralelamente, já com a sua saída perspetivada, a equipa de Agência dedicou-se à procura de um novo espaço na sua representação. Esse espaço foi identificado em 2021 no Greenpark e contou com o apoio da equipa de Arquitetura para o adaptar às novas exigências destes tempos e às mais recentes tendências no setor de escritórios.

Relativamente ao mercado de investimento, o departamento de Capital Markets esteve envolvido em algumas transações de média dimensão entre as quais se encontram a venda da antiga sede da Somague ao The Edge Group & Ardma por €8,5 milhões, de frações no Greenpark à Corum por €6,5 milhões e da Fábrica Nobre à Corum por €6,4 milhões.

Pedro Rutkowski acrescenta ainda que “a equipa de Capital Markets aposta no contacto próximo e atento aos seus clientes, pelo que pode contar com o seu voto de confiança para aconselhar e realizar as transações”. E reforça que “o objetivo da Worx é que se mantenha uma consultora imobiliária de referência com base na qualidade reconhecida dos seus serviços, não só naquilo que representa o core do negócio, bem como ao nível de parcerias e novos departamentos que garantem uma estratégia inovadora capaz de integrar as tendências do mercado. Como é exemplo incontestável disso, a Sustentabilidade Imobiliária que exige projetos energeticamente mais eficientes e construções de melhor qualidade, o que nos levou a criar uma parceria com a Átomo Capital Partners”.
Tópicos
Mercado Imobiliário Escritórios Imobiliárias Investimento Imobiliário Worx
Notícias mais lidas
Mediação Imobiliária: 7 bons argumentos de negociação
A importância do preço certo no imóvel que está a vender
Isenção do IMT na compra de casa vai entrar em vigor em agosto
Descubra as 4 regiões portuguesas onde comprar casa é mais difícil
Queres receber as últimas Super Notícias?
pixel