Notícias
Imobiliário

OE 2022: Proprietários vêem oportunidade perdida para mudar o rumo do mercado imobiliário

13 OUTUBRO 2021
Tópicos
Mercado Imobiliário Destaque Notícia Homepage Inquilinos Mercado da Habitação Proprietários
Instabilidade legislativa, fatura fiscal insustentável, demissão da função social do Estado na Habitação e perpetuação de injustiças seculares marcam o Orçamento do Estado para 2022.
Instabilidade legislativa, fatura fiscal insustentável, demissão da função social do Estado na Habitação, e perpetuação de injustiças seculares marcam o Orçamento do Estado para 2022, revela a ALP - Associação Lisbonense de Proprietários.

Para a ALP esta é uma estratégia errada e sem a ambição que se exigia no momento do arranque da reconstrução do pós-pandemia que se inicia em 2022. 

'E, infelizmente, o impacto da manutenção desta fórmula gasta vai continuar a manifestar-se na vida dos portugueses da classe média e dos jovens, que não conseguem encontrar uma solução de habitação, e no aumento permanente dos preços nos mercados de compra e venda e do arrendamento no próximo ano', referem os proprietários em comunicado.

A ALP aguardava com expectativa as linhas do OE2022: não só pelo imobiliário ser a “galinha dos ovos de ouro” fiscal do Estado, tanto no momento de expansão económica pré-pandemia, como durante e no rescaldo da crise de saúde pública mundial, mas também porque o mercado demonstra uma resiliência que não encontra paralelo em nenhum setor da economia, sendo também previsível o seu um papel determinante no relançamento do país, quer a nível social, quer a nível económico, nas óticas do investimento e emprego.

No entanto, no OE2022, a ALP considera que o Governo ignorou as três justas reivindicações que os atores do mercado – proprietários, promotores e investidores imobiliários e empresas de mediação imobiliária – enumeraram, em uníssono: baixar impostos do imobiliário (à cabeça, o IMI e IMT), abolir o AIMI – Adicional ao IMI, e exigir estabilidade legislativa, para reganhar a confiança dos proprietários e dos investidores.

A ALP refere ainda que com o terceiro prolongamento do prazo de transição das rendas congeladas, anteriores a 1990, para o NRAU – Novo Regime de Arrendamento Urbano, 'o Governo mantém os proprietários de imóveis, a cumprir perpetuamente a função social que competia exclusivamente ao Estado. Recorde-se que este prazo foi inicialmente definido em cinco anos, depois aumentado para oito, seguidamente para dez e agora para onze anos. Não é difícil de prever que, devido ao anúncio desta medida apenas, o mercado de arrendamento continue a encolher em Portugal em 2022 por falta de confiança dos proprietários'.

Também a manutenção de uma insustentável carga fiscal sobre o imobiliário – a fiscalidade representa metade do custo crescente da habitação em Portugal –, inscrita no OE 2022, na opinião da associação, 'perpétua também uma flagrante injustiça fiscal, que envolve os contratos de arrendamento antigos, anteriores a 1990 e, portanto, com mais de 30 anos de vigência, e rendas com valores muito baixos, quase simbólicos'.

'Estes mantêm-se sujeitos a uma taxa liberatória de 28% em sede de IRS, que contrasta com a isenção total de IRS concedida às rendas praticadas ao abrigo dos programas de arrendamento acessível, ou com a tributação autónoma de rendimentos, que atribui bonificações de 2% por cada dois anos de duração do contrato, ou uma taxa liberatória de 10% para contratos com duração superior a 20 anos', indicam os proprietários.

A “nova geração de políticas de habitação” do Governo não é, por isso, mais do que um slogan publicitário, no entender da ALP. 

Fonte: Diário Imobiliário
Tópicos
Mercado Imobiliário Destaque Notícia Homepage Inquilinos Mercado da Habitação Proprietários
Queres receber as últimas Super Notícias?